RESPEITO NO TRABALHO

Por Meiry Kamia

Pressão no trabalho, prazos curtos, ansiedade, estresse, etc, nada justifica a falta de respeito entre colegas de trabalho. Mas “vira e mexe” as ofensas verbais como “burro”, “lerdo”, “incompetente”, “ignorante”, são ouvidas nos bastidores das empresas.

A falta de respeito no trabalho pode trazer diversos malefícios para a organização como um todo, por exemplo: impacto negativo no clima organizacional comprometendo o nível de confiança entre as pessoas, assim como sua produtividade. Além disso, abre portas para o assédio moral. Quanto mais corriqueiros forem os maus comportamentos, maior será o dano causado.

Afinal, o que é respeito?

Segundo o dicionário Aurélio (2005) Respeitar significa: 1. Tratar com reverência; honrar. 2. Dar atenção ou importância a; considerar. 3. Acatar. 4. Agir de forma que não fira, não prejudique ou ofenda (alguém), ou destrua (algo). 5. Admitir a existência ou valor de; reconhecer.

A definição traz palavras como reconhecer o outro, considerar, dar atenção, admitir sua existência, não prejudicar, não ofender, não destruir. Dessa forma, a falta de respeito, não se resume apenas às palavras de ofensa, mas também englobam comportamentos como:

  • Não olhar para a pessoa enquanto fala com ela.
  • Não informar o integrante do time sobre uma reunião importante.
  • Esnobar, ignorar a presença, tratar com desdém, humilhar, difamar.

De onde vem o respeito?

O respeito vem de casa, pois é aprendido na infância. As primeiras pessoas que a criança aprende a respeitar são os pais. O quarto dos dez mandamentos entregues a Moisés diz: “Honrar pai e mãe”. Interessante perceber que tanto a definição da palavra “respeito” pelo dicionário quanto o próprio mandamento fazem referência à “consideração” e a “reverência” ao outro, mas não fazem referência ao amor. Isso significa que você não precisa amar ou gostar da pessoa a qual você respeita. Amor e respeito são coisas diferentes.

Respeito requer empatia, ou seja, capacidade de se colocar no lugar do outro, reconhecer o outro como um ser humano e, justamente porque você o reconhece como ser humano, você o reverencia, com tudo o que engloba um ser humano (sua cultura, seus costumes, suas crenças, sua religião, sua raça, etc). O respeito é pré-requisito para qualquer relacionamento saudável.

Respeito requer maturidade, pois é preciso sair do egocentrismo para enxergar as necessidades dos outros. Pessoas imaturas tendem a impor suas vontades, tendem a não ouvir ou considerar a opinião alheia simplesmente porque se sentem superiores ou para não se sentirem inferiores. Perceba que o movimento é competitivo, o que gera disputa de egos, em detrimento da boa convivência.

Respeito é pré-condição para que haja amor

Pais carentes demais têm dificuldade em ensinar limites sociais aos filhos porque temem serem chatos ou rudes demais e perderem o amor dos filhos. É comum alguns pais confundirem “dar limites” com “ser chato”, mas uma coisa nada tem a ver com a outra. Ser chato é a pessoa que resmunga ou reclama sem razão. Dar limites significa ensinar a criança de que não é sempre que seus desejos poderão ser supridos imediatamente. É ensinar que, em algumas ocasiões, dependemos de outras pessoas que pensam diferente e que é preciso negociar, respeitando o ponto de vista do outro, até chegar a um acordo. Isso deve ser ensinado e aprimorado durante toda a vida. Pessoas consideradas educadas são exímias em negociar porque compreendem o ponto de vista do outro, respeitam e propõem um “meio termo” que fique bom para ambos os lados.

Crianças “sem limites” correm o risco de permanecerem psicologicamente imaturas, e serem adultos com muita dificuldade em se relacionar com outras pessoas, podendo ser rudes e ofensivos quando contrariados.

Com relação ao medo de perder o amor dos filhos, é importante esclarecer aos pais e líderes que não se perde o amor por impor limites aos filhos ou liderados. Pelo contrário, para que surja o amor é necessário que antes haja respeito e admiração, e isso só acontece quando pais e líderes desempenham seus papéis.

O amor é um dos mais sublimes sentimentos humanos e um dos últimos a serem desenvolvidos por requerer uma escolha consciente. Amor não é algo instintivo. Ele é uma escolha. Amar significa desejar, querer bem a outrem, é uma devoção, sem pedir nada em troca. Isso significa que podemos escolher amar alguém mesmo que o ser amado não nos ame. E amar também é dar limites por saber que os limites são necessários.

A melhor forma de ensinar respeito

Não é possível ter respeito pelo outro se não respeitamos a nós mesmos. É preciso ter disciplina para sermos um ser humano de conduta respeitável, e isso é construído a cada dia. Uma pessoa respeitável mostra coerência entre seus valores pessoais e conduta. Ex.: Se considerar honestidade algo importante, ela não comprará produtos e softwares piratas; se considerar o diálogo o caminho para o bem viver, ela não gritará ou agredirá com palavras, estará sempre disposta a dialogar; Se considerar disciplina importante, vencerá a preguiça e seguirá uma boa dieta alimentar, estudará com afinco, porque acredita ser o caminho correto; e por aí vai.

Desta forma, vemos que a melhor forma de educar é através da própria conduta. Aja como acredita que uma pessoa respeitável faria. E, diante de uma pessoa desrespeitosa, talvez uma conversa com ela seja interessante. Com muita empatia e respeito, mostre a ela que suas palavras, tom de voz, algumas ações, etc, não correspondem à pessoa que ela gostaria de ser. Nenhum ser humano deseja ser rechaçado, rejeitado, mal amado, mas com essa conduta é isso que ela está construindo. Mostre a ela outras formas de solucionar os problemas, assim você estará tendo uma conduta respeitável e sendo um bom educador.

*MEIRY KAMIA é Palestrante, Psicóloga, Mestre em Administração de Empresas, Consultora Organizacional, Graduanda em Teologia. Autora do livro “MOTIVAÇÃO SEM TRUQUES”. Também é ilusionista, premiada como melhor mágica feminina da América Latina, pela Federação Latino-Americana de Sociedades Mágicas. Desenvolve palestras motivacionais e treinamentos diferenciados, aliando Arte Mágica, Teatro e Psicologia. Contatos:  www.meirykamia.com; atendimento@meirykamia.com